Escola Vampiresca Maltury

Escola de Vampiros do Clã Maltury


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Aula 1 - Lendas

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Aula 1 - Lendas em Dom Abr 05, 2009 3:50 pm

Nossa professora (minha irmã Lynna) está de licença maternidade... Ela andou mordendo um vampirinho por aí, e agora tem que ficar cuidando dele, então eu vou ficar com a matéria dela por enquanto.


Acho que pro azar de você, logo eu quem pegou a matéria Twisted Evil


Como primeira aula, eu irei propor uma discussão sobre lendas dos Vampiros. Como eu to com preguiça agora Twisted Evil ... não vou ficar entregando tudo de mão beijada pra vocês... Logo, quero que cada um coloque uma lenda diferente de vampiros aqui. NADA DE FIC... Quero lendas que tenham como me provar que realmente existem.

Twisted Evil


O prazo dessa aula vence no sábado ao meio dia Basketball


Ahh e funcionará o mesmo método da minha outra matéria... Quero todos os alunos aqui, se não, TODOS ficam com zero.

Ver perfil do usuário

2 Re: Aula 1 - Lendas em Dom Abr 05, 2009 6:12 pm

Nome: Sebastiao Malturi
Casa: Attikason
Materia: Lendas e Hisotórias Miticas
Proefessor: Leonardo Malturi


Existem lendas de vampiros desde 125aC, quando ocorreu uma das principais histórias conhecidas de vampiros. Foi uma lenda grega. Na verdade pode-se afirmar que esse tenha sido o primeiro registro por escrito, pois as origens do mito se perdem séculos e séculos atrás quando a tradição oral prevalecia. Lendas sobre vampiros se originaram no oriente e viajaram para o ocidente através da Rota da Seda para o Mediterrâneo. De lá, elas se espalharam por terras eslavas e pelas montanhas dos Carpathos. Os eslavos têm as lendas mais ricas sobre vampiros. Elas estavam originariamente mais associadas aos iranianos e à partir do século VIII é que se espalharam por terras eslavas. Quase na mesma época em que essas histórias começaram a se difundir, iniciou-se o processo de cristianização da região, e as lendas de vampiros sobreviveram como mitos muitas vezes associados ao cristianismo.

Mais tarde, os ciganos migraram para o oeste pelo norte da Índia (onde também existem um certo número de lendas sobre vampiros), e seus mitos se confundiram com os mitos dos eslavos. Os ciganos chegaram na Transilvânia pouco tempo depois de Vlad Dracula nascer em 1431. O vampiro aqui era um fantasma de uma pessoa morta, que na maioria dos casos fora uma bruxa, um mago, ou um suicida.

Vampiros eram criaturas temidas, porque matavam pessoas ao mesmo tempo em que se pareciam com elas. A única diferença era que eles não possuíam sombra, nem se refletiam em espelhos. Além disso podiam mudar sua forma para a de um morcego, os tornavam difíceis de capturar e bastante perigosos. Durante a luz do dia dormiam em seus caixões, para à noite beber sangue humano, já que os raios eram letais para eles. O método mais comum era, pela meia noite, voar por uma janela na forma de um morcego e morder a vítima no pescoço de forma que seu sangue fosse totalmente sugado. Os vampiros não podiam entrar numa casa se não fossem convidados. Mas uma vez que eram poderiam retornar quando bem entendessem. Os vampiros eslavos não eram perigosos somente porque matavam pessoas, (muitos seres humanos também faziam isso) mas também porque suas vítimas, depois de morrerem, também se transformavam em vampiros. A característica mais temida dos vampiros era o fato deles serem praticamente imortais. Apenas alguns ritos podiam matar um vampiro como por exemplo: transpassar seu coração com uma estaca, decaptá-lo ou queimar seu sangue. Esse tipo de vampiro também é o mais conhecido, por ter sido imortalizado na figura do mais famoso vampiro de todos os tempos, o Conde Drácula, de Bram Stoker.

Ver perfil do usuário

3 Re: Aula 1 - Lendas em Dom Abr 05, 2009 7:37 pm

Nome:Ally Malturi
Casa: Attikason
Coloquei algumas lendas conhecidas em filmes e livros.
lendas do leste europeu:

Ustrel
Vampiro Búlgaro. Era uma criança que nascia no sábado, e morria antes do batismo. Nove dias após o enterro, acreditavam que o Ustrel se erguia de seu túmulo, e sugava sangue de carneiros e do gado local. Se um Ustrel atacasse uma comunidade, alguém contratava um "vampirdzhija", um caçador de vampiros. Esse caçador tinha a habilidade de ver os Ustrels, e podiam detectar quem era ou não um Ustrel na comunidade.

Redcaps
Escoceses, eram espíritos malignos que assombravam castelos e outros lugares onde havia acontecido algo violento. Se alguém dormisse em algum local assombrado por um Redcap, ele tentaria mergulhar sua capa em sangue humano. Podia ser afastado facilmente por uma palavra da Bíblia ou uma cruz.

lendas da america do norte:

Camazotz
Os Maias acreditavam nesse deus (da agricultura) e o temiam pelas suas "tendências sanguessugas" e aparência horrível (tinha longos e afiados dentes e também garras). Costumava morar em cavernas, onde podia atacar pessoas para drenar sangue.

Dhampir
O Dhampir americano é um humano nascido da união entre um humano e um vampiro. Pela natureza, tem certas afinidades com vampiros. Por exemplo: eles podem sempre identificar um vampiro, e também podem resistir a qualquer poder vampírico.

Ver perfil do usuário

4 Re: Aula 1 - Lendas em Seg Abr 06, 2009 11:26 am

nome:Mell Malturi
casa:Bladelária


Aqui estão algumas lendas de vampiros em outros países,continentes,lugares...enfim.
Aqui estão:

Asanbosam:

Asanbosam são vampiros africanos. São vampiros normais exceto que possuem cascos ao invés de pés. Tendem a morder suas vítimas no polegar.

Baital:

Baital é uma raça de vampiro indiana. Sua forma natural é metade homem, metade morcego, tendo mais ou menos um metro e meio de altura.

Baobhan Sith:

O Baobhan Sith (buh-van she) é uma fada demônio escocesa, que aparece como uma jovem mulher e dançará com o homem que achar até que o mesmo se esgote, para depois se alimentar dele. Pode ser morta por ferro frio.

Ch'Iang Shih:

Na China, existem criaturas vampíricas chamadas Ch'Iang Shih. São criadas se um gato pular sobre o corpo de um cadáver. Eles se levantarão para a vida e podem matar com um bafo venenoso além de poderem drenar o sangue. Se um Ch'Iang Shih encontra uma pilha de arroz, ele tem que contar os grãos antes de passar. Sua forma imaterial é uma esfera de luz.

Dearg-Due:

Na Irlanda, muitos druidas falam do Dearg-Dues que têm que ser mortos sendo construído um monte de pedras sobre suas sepulturas. Os Dearg-Dues não mudam de forma.

Ekiminu:

Ekiminus são malígnos espíritos assírios (metade fantasma, metade vampiro), causados por um sepultamento impróprio. Eles são naturalmente invisíveis e são capazes de possuir humanos. Podem ser destruídos sendo usado armas de madeira, ou por exorcismo.

Kathakano:

Os vampiros cretas Kathakano são muito parecidos com o original, mas só podem ser mortos se forem decapitados e a cabeça fervida em vinagre.

Krvopijac:

Esses são vampiros búlgaros e também são conhecidos como Obours. Eles se parecem com vampiros normais mas têm apenas uma narina e a língua longa e pontiaguda. Eles podem ser imobilizados se colocadas rosas em seus sepulcros. Podem ser destruídos se conjurada uma palavra mágica numa garrafa e a mesma atirada numa fogueira.

Lamia:

Lamia é originária da Roma e Grécia antiga. São exclusivamente fêmeas, sendo geralmente metade humana, metade animal (quase sempre uma cobra, e sempre na parte inferior do corpo). Elas comem a carne de suas vítimas assim como bebem seu sangue. As lamias podem ser atacadas e destruídas com armas normais.
Nosferatu:

Nosferatu é outro nome para o vampiro original, que também é chamado de vampyre, ou vampyr.

Rakshasa:

Rakshasa é uma poderosa vampira e feiticeira indiana. Geralmente aparenta um ser humano com características animais (garras, presas, olhos em fenda, etc...) ou animais com características humanas (pés, mãos, nariz chato, etc...). O lado animal é muito comumente um tigre. Elas comem a carne de suas vítimas além de beber seu sangue. As Rakshasas podem ser destruídas por fogo extremo, luz do sol, ou exorcismo.

Strigoiul:

Este é o vampiro romano.
Strigoiuls são muito parecidos com o vampiro original, mas preferem atacar em bando.
Eles podem ser destruídos se for posto alho em sua boca ou removendo-se o coração.

Ver perfil do usuário

5 Re: Aula 1 - Lendas em Ter Abr 07, 2009 5:03 pm

NOME:Leka Maulturi CASA BLADELÁRIA [b]LENDA DOS CARAYBAQUERA

As primeiras noites nas terras brasileiras, em geral, foram repletas de mistério para aqueles vampiros que se viram forçados a fugir para a colônia, aqueles desesperados o suficiente para tentar uma viagem marítima. Alguns dentre esses degredados esperavam encontrar algum tipo de criatura imunda similar a eles mesmos, escondida entre a população indígena, que logo seria revelada pela Mácula do Predador. Outros achavam que os nativos eram selvagens demais e não teriam cidades e concentrações de humanos dignas de alimentar um membro da Família, e isso significava que a nova terra não traria esforços quanto à questão de estabelecer território, já que nenhum Amaldiçoado reclamaria quando os degredados estabelecessem seus domínios nas cidades recém-construídas.

A paranóia, contudo, durou por quase um século, sem que houvesse evidência de vampiros entre os indígenas. Algumas lendas, porém, começaram a infiltrar-se nas conversas dos parcos salões dos Elísios das maiores cidades da colônia, vindas de áreas ermas, espalhadas pelos nômades que começavam a tornarem-se comuns no Brasil.

Na época em que a cidade de Salvador era regida pelo Arcebispo Dom Ignácio, hoje o mártir Ignácio do Espelho Turvo, celebrado na noite de 3 de julho, esse Príncipe dos Santificados e admirador dos jesuítas anotava com paixão as lendas, mitos e casos contados pelos nômades. Seus textos estavam escritos na língua geral, e foram perdidos durante o período crítico de 1808-1835. Algumas histórias sobrevivem até as noites de hoje.



Uma lenda contava que um vampiro – às vezes relatado nas histórias como sendo um Ventrue, noutras como Deva – havia se infiltrado numa expedição (ou numa bandeira, a depender do local onde a lenda era repassada) e colocado ghuls e mortais viciados em seu sangue entre os líderes e influentes da expedição. Esse Amaldiçoado (nunca se conta precisamente seu nome, nem porque estaria arriscando-se numa expedição) viu alguns dos seus companheiros e servidores serem mortos por envenenamento, ao alimentarem-se da vegetação local. O vampiro estava ansioso, já que havia enxergado alguns vultos no meio da mata que não eram percebidos por seus homens. Com o passar dos dias e das noites, outros homens foram morrendo, só que agora não só por envenenamento, mas assassinados de maneira furtiva. Um deles foi encontrado por seus companheiros, enforcado num cipó pendente de uma árvore muito alta; esses companheiros não tiveram a coragem de retirar o cadáver dali, pois contaram, muito assustados, que o cipó se mexia como se estivesse vivo, e que a casca meio apodrecida e cheia de fungos da árvore estava repleta de símbolos estranhos.

Um a um, os homens caíram vítima de estranhas armadilhas, alguns atacados por animais ferozes. E tudo isso acontecia fora das vistas do vampiro que pensava controlar a expedição. As únicas mortes que ele presenciara com seus próprios olhos foram os estertores finais de seus servidores, envenenados e cuspindo sangue.

Toda essa emboscada e cerco durou cerca de um ciclo de luas no céu, conta-se. Quando a lua se ergueu cheia nos céus, o Deva, ou Ventrue que seja, estava sozinho no meio do mato, e sem uma mão humana a quem recorrer.

Foi nessa noite em que surgiram três ou quatro – ou cinco, a depender de quem narra a história – indígenas, pintados de vermelho, saindo detrás das árvores. Um deles trazia uma estranha bacia ou cumbuca de cerâmica em suas mãos, e ofereceu-a ao vampiro perdido, como num gesto de apaziguamento, ou uma oferenda a um espírito superior.

Os ouvintes sempre argumentam se aquele Amaldiçoado era um tolo ou se estava desesperado demais, quando o narrador conta que o vampiro aceitou a oferta e bebeu do líquido que continha na vasilha de barro. Era uma mistura estranha e de cheiro pungente. Assim que a beberagem desceu pela garganta do morto-vivo, algo estalou dentro de sua mente e ele subitamente percebeu, pela revolta de sua Fera interior, que todos os indígenas à sua frente eram tão Amaldiçoados quanto ele.

A Fera do pretenso explorador vacilou entre a fúria ao olhar alguns dos acompanhantes do índio que lhe entregara a vasilha, e o medo avassalador que certamente o tomou ao sentir o peso do poder do próprio ofertante.

Nesse ponto, os relatos divergem: existem pelo menos três variações.

Em uma delas, o vampiro perdido no mato era um membro da estranha, secreta e pouco conhecida doutrina dos Dragões, que somente seria amplamente conhecida pela sociedade vampírica brasileira no século XIX. Esse vampiro estava pesquisando a existência dos caraybaqüera, os vampiros nativos do Brasil, a partir dos registros de outros de sua coalizão secreta. Aquele momento então teria sido como uma epifania para o estudioso. Ele havia sido preparado lentamente para o encontro por aqueles que estava caçando. Os caraybaqüeras o cercaram e conversaram com ele na língua geral, e ali no meio daquela mata foram trocados segredos místicos e sabedorias ocultas. Como marca dos segredos compartilhados, o explorador foi arranhado pelas garras dos vampiros indígenas, que desenharam estranhos símbolos e padrões, de modo sangrento, na pele cadavérica do Dragão. Quando ele voltou à civilização – e esse retorno nunca é detalhado pelos relatos! – trazia verdades bizarras mapeadas em sua pele.

Em outro dos relatos variantes, os vampiros indígenas cercaram o explorador perdido, assumiram formas de diversos animais da fauna local, e quase massacraram o invasor de seu território. Enquanto a dança ritual de combate era realizada sobre o corpo subjugado do colonizador, somente aquele que ofertou a beberagem observava de modo impassível. Precisos, os monstros não chegaram a impor a Morte Final ao explorador, mas deixaram-no muito perto disso. Foi aí que o líder deles colocou na boca do vampiro ferido uma raiz amarga, espremendo gotas de um líquido doce como a Vitae. Durante três noites foi mantido cativo o desafortunado Deva (as histórias com este final sempre marcam o explorador como sendo um Deva), e a cada noite foi-lhe alimentado somente o sumo da raiz amarga, que dentro do corpo vampírico era mais doce que o mel. Depois dessas três noites, o colonizador foi libertado perto de uma povoação ribeirinha de mortais desconhecidos. O Íncubo saciou sua sede com os humanos que ali moravam, restaurando seus ferimentos lentamente, e fazendo várias vítimas fatais. Porém, o sangue dessas vítimas operava para curar seu corpo maltratado, mas não satisfazia a luxúria de sua alma. O Deva desejava ardentemente beber do sumo da raiz amarga mais uma vez. Dizem que ele arrependeu-se depois de tantos assassinatos naquele vilarejo perdido e acabou Abraçando uma de suas vítimas, e essa cria contou a história ao contador de histórias, embora a história em si não mencione o que aconteceu depois ao genitor dela.

A terceira variação da lenda detalha um pouco mais o vampiro capturado pelos estranhos Amaldiçoados da floresta. Um Ventrue Santificado que estava em viagem para um domínio distante audaciosamente atravessava a mata para difundir a fé negra em Longino. Alguns dos mais precisos entre os contadores de lendas dizem que o Santificado era um Legado, ao invés de um missionário comum. Qualquer que tenha sido sua posição na Lancea Sanctum, se era Ungido ou não, seus galardões não o salvaram do que aconteceu naquela noite fatídica na floresta. O Lorde, logo após a constatação de que aqueles sivícolas eram vampiros como ele, começou a tentar comunicar-se em diversas linguas indígenas locais. Não obteve respostas verbais, mas aquele que parecia o líder começou a fazer gestos, como que pedindo para seguí-lo. O Santificado, não vendo outra alternativa, já que os índios estavam armados de estranhas lanças, consentiu. Andaram quase meia hora por uma trilha no meio do mato, até chegarem numa clareira que abrigava um pequeno lago e uma árvore frondosa, mas de casca decadente, podre e malcheirosa. Suas folhas forravam o chão da clareira. Subitamente, um dos indígenas estendeu uma garra até então oculta e atacou o missionário, derramando um pouco de sangue sobre as raízes da árvore. O Ventrue preparou-se para se defender, mas um cipó surpreendentemente firme destacou-se da árvore e enlaçou o Ventrue, como se animado por magia. Em pouco tempo, outros cipós tornaram a fuga do Lorde impossível. Os indígenas então espetaram suas lanças no chão ao redor do missionário, e o líder usou a sua própria para ferir o vampiro e - através de alguma feitiçaria herege - coagiu a Vitae do Santificado a derramar-se no chão, molhando as raízes da árvore. Aquele solo profano rapidamente absorveu o sangue derramado, e o resto da noite foi passado naquela posição.

Quando veio o sol, o missionário tentou desesperadamente libertar-se, em vão; e então encolheu-se horrorizado. Foi quando o cipó que o prendia puxou o Lorde para o chão, e algo enterrado no húmus que cercava as raízes da árvore dragou o vampiro para dentro da terra.
Após ter repousado no abraço da terra, o vampiro acordou deitado sob a luz da lua, sujo de pó e lama. Nenhum de seus perseguidores estava mais lá. O Ventrue lembrava-se de uma noite passada sob a terra, em que sonhos terríveis de sangue e traição distorceram sua mente, mas revelaram-lhe estranhos sinais, presságios e algo que ele supunha ser uma verdade nova... o Ventrue tornou-se um apóstata.

Dizem que ele tornou a embrenhar-se no mato, e ao sair da floresta começou a pregar uma nova fé, herética aos olhos e ouvidos dos Santificados. O Ventrue contava fervorosamente sobre os caraybaqüera, anjos caídos guardando as selvas do Brasil.

Ver perfil do usuário

6 Re: Aula 1 - Lendas em Ter Abr 07, 2009 11:07 pm

Nossa gente muito bom o que vcs tão trazendo, assim... Continuem trazendo mais, e não só tragam, mas leiam a lenda do colega, por que assim que aprendemos e conhecemos as lendas... O intuito dessas postagens é justamente o conhecimento, por que eu irei fazer uma prova com cada um individualmente pelo msn no fim do primeiro ano, ou seja, quando completarmos um mês de aula.


Twisted Evil

Imaginem eu fazendo prova por msn, com perguntas que vcs não vão poder colar HuahUahuHAuhUahuA




adoro uma maldade com alunos.

Ver perfil do usuário

7 Re: Aula 1 - Lendas em Qua Abr 08, 2009 11:16 am

Prof. como você disse que podemos trazer mais lendas estou trazendo mais alguma:

Nome: Sebastiao Malturi
Casa: Attikason
Materia: Lendas e Hisotórias Miticas
Proefessor(a): Leonardo Malturi

O vampiro é um ente mitológico que se alimenta de sangue humano.

Voltaire, escreveu uma longa entrada sobre vampiros no seu Dicionário Filosófico. Dessa obra faz parte a seguinte definição de vampiro:

"Estes vampiros eram corpos que saem das suas campas de noite para sugar o sangue dos vivos, nos seus pescoços ou estômagos, regressando depois aos seus cemitérios. "

O vampiro é um personagem muito comum na literatura de horror e mitológica, existindo tantas versões do seu mito quanto existem usos desse conceito. Alguns pontos em comum são o fato de ele precisar de sangue (preferencialmente humano) para sobreviver, de não poder sair na luz do Sol, de se transformar em morcego e de poder ser posto em topor temporario por uma estaca no coração.

Os vampiros mais famosos são Drácula de Bram Stoker, o Lestat de Lioncourt. No Brasil, os mais famosos são Zé do Caixão, Zé Vampir, Bento Carneiro e o Conde Vlad.

Os vampiros têm aparições antiquíssimas na mitologia de muitos países, principalmente dos da Europa, (leste europeu) e os do antigo oriente próximo, na mitologia da Suméria e Mesopotâmia, onde surge como filho de Lilith, se confundindo com Incubus.

Segundo a lenda, os vampiros podem controlar animais daninhos e noturnos, podem desaparecer numa névoa e possuem um poder de sedução muito forte. Formas de combatê-los incluiriam o uso de objetos com valor sagrado tais como hóstia consagrada, rosários, metais consagrados, alhos, água benta, etc.

Nas primeiras lendas sobre vampiros eles se transformam em cães ou lobos, na Europa não existem morcegos hematófagos e essa associação só passou a existir depois da criação de Drácula. Em muitas das lendas antigas eles se transformavam nas noites de lua cheia, o que permite pensar que a lenda do Lobisomem tenha um fundo comum.

Ha outra definição de vampiro ou vampirismo. Diversas culturas declaram que o vampirismo não é somente uma lenda e que todos nós, todos os dias, estamos sempre sendo sugados por eles. Nessa definição o vampiro não possui os dentes caninos maiores, não usa capa, tampouco vive num ataúde ou não se expõe ao sol. Essa definição, diz respeito aos humanos vampiros, definindo dessa forma, as pessoas normais com as quais convivemos, mas que, sem que percebamos "sugam" o sangue de suas vítimas. Esses vampiros modernos, por assim dizer, são encontrados principalmente em ambientes profissionais, assim entendendo aquelas pessoas que fazem uso do conhecimento, tecnologia, projetos e idéias das pessoas as quais convivem, passando como se fossem suas, ou seja "sugando" ou apropriando-se dessa forma, de todo o trabalho, dedicação, e conhecimentos profissionais de suas vítimas.


Abaixo estou colocando a lenda de um vampiro muito famoso conhecido no mundo inteiro:

Lestat de Lioncourt

Sua vida como mortal

Lestat é o sétimo filho do marquês d'Auvergne e nasceu em 1760, em Auvergne, França, em um castelo pertencente a seus antepassados. Apesar da sua aparente nobreza ele cresceu em uma pobreza relativa; seus antepassados esbanjaram as riquezas da família delapidando assim a fortuna familiar. Como o mais novo filho da família, Lestat ascendia a nada herdar. Sua relação com seu pai e irmãos eram tensas devido a diferenças irreconciliáveis.

Talvez o momento mais crucial de sua vida mortal, foi quando as pessoas da cidade vieram para lhe falar sobre lobos que entraram na aldeia assustando as pessoas. E enquanto caçava ao redor das montanhas de Auvergne, foi atacado por oito lobos, que quase causaram sua morte. A morte de seu cão de caça e seu cavalo, teve um profundo efeito sobre sua aparente estabilidade mental. Ele retornou para casa, determinado a seguir o seu próprio caminho.

Lestat cai numa profunda depressão após seu encontro com os lobos e perde o sentido da vida, e acompanhado de um amigo violinista de nome Nicolas, ele deixa Auvergne e vai para Paris, com intenção de se tornar um ator de teatro. Durante uma peça, ele atraiu a atenção de um antigo vampiro chamado Magnus, que o rapta e transforma em vampiro contra vontade, e depois se lança ao fogo.

Transformado-se em vampiro

Inicio
Ao encontrar Lestat, Magnus o torna um vampiro, contra a sua vontade. No entanto, Magnus, cansado da vida, comete o suicídio atirando-se em uma pira, deixando Lestat para defender a si próprio, sem qualquer tipo de orientação. Lestat descobre que agora é herdeiro de uma inesgotável riqueza, e começa uma aventura que o leva a conhecer todo o mundo.

Lestat sempre foi uma criatura solitária. Em sua infância o único membro da sua família com quem ele tinha qualquer ligação era com a mãe. Gabrielle de Lioncourt foi uma bela mulher de ascendência italiana, foi dela que Lestat herdou o seu cabelo louro e sua boa aparência. Gabrielle era o único membro da sua família, que apreciava ler e frequentemente ficava imersa em seus romances, negligenciando a vida mundana ao seu redor. Lestat a admirava e ela o odiava por isso, mas ele foi a única pessoa de sua família, com quem ela também poderia trocar confidências de modo que eles desenvolveram um silencioso e forte vínculo. Por este motivo ele a escolheu para ser sua primeira companheira vampira, na ocasião em que ela chega a Paris, querendo vê-lo antes que sucumbisse à sua doença fatal.

Nicolas de Lenfent

Lestat também fez de seu melhor amigo mortal, Nicolas de Lenfent, um vampiro. Ambos trabalharam em um pequeno teatro chamado "Renaud's", Lestat começou como um figurante, e para sua surpresa, depois acabou tornando-se estrela do show, enquanto Nicolas tornou-se violinista da pequena orquestra do teatro. Após Lestat ter sido raptado e se transformado num vampiro ele tentou distanciar-se de sua família e amigos mortais. Ele comprou um apartamento para Nicolas e muitos outros luxos, como um violino Stradivarius, com o seu recém-adquirido "poder financeiro". O tempo inteiro Nicolas tinha muitas suspeitas de Lestat e sua nova vida, e a suspeita cresceu quando Lestat desaparecera com sua mãe a noite quando ela o veio visitar, e Gabrielle retornou magicamente curada. Lestat finalmente demonstrou o amor que ele sentia por Nicolas e fez dele um vampiro, assim como bem depois salvando-o de um grupo de vampiros, conhecidos como Crianças das Trevas, que eram liderados pelo poderoso vampiro, Armand.

Suas tormentas

Ao longo de sua longa vida, Lestat é atormentado por questões filosóficas comuns, tais como "Seriam minhas ações boas ou más?", "Existe um Deus?", "Eu estou em Seu plano?", "O que acontece depois da morte?", "O que torna uma pessoa feliz?" Ele encontra-se mais no amor com a humanidade do que nunca, apesar da sua relação com os humanos serem selvagens. Por um tempo, ele vê a vida como "um Jardim Selvagem", repleta de beleza e morte.

O mais poderoso dos vampiros

No espaço de apenas alguns séculos, Lestat torna-se um dos mais poderosos vampiros, apenas perdendo para os mais antigos aqueles cuja idade se perdia nos milênios. Isto é, em parte, porque o sangue que ele recebeu de Marius, era o de um desses antigos, que era incrivelmente poderoso, e por ele ter tido um relacionamento com a rainha dos vampiros, Akasha.

Por toda sua ousadia, os mais antigos referem-se à ele carinhosamente como o "príncipe moleque". Ele está sempre muito preocupado com costumes e moda, e pausa meados da narrativa para lembrar ao leitor o que ele está vestindo. A maior parte de suas experiências são com companheiros. Ele explica que este fato e por que as mulheres em séculos anteriores, simplesmente não eram interessantes. Mais tarde na série, Lestat menciona que ele tem medo das mulheres. Uma teoria interessante é que Lestat so tomava sangue de pessoas ja mortas, sendo assim não era presiso mata-las

Ver perfil do usuário

8 Re: Aula 1 - Lendas em Qui Abr 09, 2009 11:46 pm

Existem lendas sobre o vampirismo desde 125 D.C. aproximadamente; as primeiras histórias foram encontradas na Mitologia Grega. Porém a palavra Upir (palavra que derivou o "vampiro"), tem registros de 1047, num documento para um príncipe Russo, chamado "Upir Lichy" ou "Vampiro maldoso".
Lendas vampirescas se originaram no Leste da Europa e foram transportadas por caravanas pelo oeste e em rumo ao Mediterrâneo.


De lá, a história se expandiu até as áreas eslavas e Cárpatos. Os eslavos apresentaram a figura do vampiro ao resto do mundo. Após a "cristianização" a lenda do vampiro ainda sobreviveu como um mito, carregada por ciganos, que migraram à Transilvânia, logo depois do nascimento de Vlad Drácula, em 1431.
O vampiro, dizia a lenda, possuía um espírito de uma pessoa morta, que havia sido bruxa, assassino ou suicida. Vampiros eram criaturas temidas, pois podiam se passar por pessoas normais; as únicas diferenças eram o fato de eles não terem sombra ou reflexo no espelho.


http://www.morcegolivre.vet.br/vampiro_lenda.html

Ver perfil do usuário http://rob.pattinson.zip.net

9 Re: Aula 1 - Lendas em Qui Abr 09, 2009 11:47 pm

( Fonte: 52 )

À noite, beberiam o sangue de mortais para se alimentarem. Um dos métodos mais comuns era se transformar em morcego e voar pelas janelas abertas, à procura de um pescoço distraído. Eles jamais entravam em uma casa se não fossem convidados, mas uma vez chamados, eles poderiam entrar sempre que quisessem.

O vampiro eslavo não era perigoso apenas porque matava pessoas (afinal, muitos humanos fazem isso!), mas porque, suas vítimas se transformavam em vampiros após mortas. O vampiros eram imortais; apenas alguns métodos poderiam destruí-los. A estaca no coração ou separar a cabeça do corpo eram os únicos métodos conhecidos.
Emmanuelle Night Star

Fonte e mais lendas sobre vampiros: Mundo Vampyr

Ver perfil do usuário http://rob.pattinson.zip.net

10 Re: Aula 1 - Lendas em Seg Abr 13, 2009 11:23 am

Lynna, eu queria te perguntar uma coisa...
é que dia 16/04 (quinta feira) eu vou viajar, e só volto no dia 26/04...
eu queria saber se vc pode me passar os deveres por e-mail pra eu fazer os deveres quando chegar...
se sim, o e-mail é:
mell_mota@pop.com.br

Ver perfil do usuário

11 Re: Aula 1 - Lendas em Ter Abr 14, 2009 11:37 pm

Boba, eu que tou cuidando da materia da Lynna, sua aluna desatenta ¬¬

Tá liberada... vai logo antes que eu mude de idéia e te dê zero Twisted Evil

Ver perfil do usuário

12 Re: Aula 1 - Lendas em Sex Abr 17, 2009 11:22 am

Professor!Eu conseguir entar essa semana na escola então estou colocando as atividades em dia! Então aki esta a minha atividade!

Nome: Fernanda Malturi
Casa: Attikason
Materia: Lendas e Hisotórias Miticas
Professor: Leonardo Malturi

O Vampírismo


POR VOLTA DOS ANOS 80,DESCOBRIU-SE A UMA POSSÍVEL HIPOTESE PARA AS LENDAS VAMPIRESCAS.
TRATA-SE SIMPLESMENTE DE UMA RARA DOENÇA QUE SE DENOMINADA POR "PORFÍRIA". UMA DAS SUAS VARIANTES, AINDA MAIS RARA, PRODUZ NOS DOENTES CARACTERÍSTICAS "VAMPÍRICAS", TAIS COM OS DENTES AFIADOS, EXCESSO DE CABELO, HIPERSENSIBILIDADE À LUZ E FALTA DE SANGUE.
ATÉ 1991, APENAS FORAM REGISTADOS MAIS OU MENOS 60 E TAL CASOS DESTA FORMA DE "PORFÍRIA".
A PORFÍRIA NÃO É MAIS DO QUE UMA DOENÇA NO SANGUE, GENÉTICA E HEREDITÁRIA, QUE PROVOCA UMA DESFIGURAÇÃO NO PACIENTE. EXISTE UMA HIPERSENSIBILIDADE À LUZ, NÃO EXCLUINDO O SOL PORQUE OS RAIOS ULTRAVIOLETA TRANSFORMAM O "HEMA" (O COMPONENTE DO SANGUE QUE O TORNA ENCARNADO) NUMA TOXINA QUE VAI OS MÚSCULOS.
OUTROS SINTOMAS DA PORFÍRIA SÃO O EMAGRECIMENTO OU PALIDEZ DA PELE, QUE PASSA A QUASE COMO QUEIMAR QUANDO EXPOSTA AO SOL, CRESCIMENTO ANORMAL DE PÊLOS NAS FERIDAS, QUEIMADURAS NA BOCA QUE PROVOCAM A DIMINUIÇÃO DO SEU CONTORNO E FAZEM SOBRESSAIR OS DENTES E, EM ALGUNS CASOS, A DESINTEGRAÇÃO DOS DEDOS, O QUE PODERÁ DAR ÀS MÃOS O ASPECTO DE PATAS OU GARRAS. ALGUMAS VARIANTES DA PORFÍRIA PODEM PROVOCAR INSANIDADE MENTAL, ALUCINAÇÕES E MUITA DOR. NA SUA AFLIÇÃO, OS PACIENTES PODERIAM TER BEBIDO SANGUE DE ANIMAIS NUMA TENTATIVA DE ALIVIAR O SOFRIMENTO.(É IMPORTANTE SALIENTAR QUE ESTA DOENCA PODERA SER UMA JUSTIFICAÇÃO, NÃO E UMA CERTEZA).
PERANTE UM QUADRO DE SINTOMAS COMO ESTES, NÃO ADMIRA QUE AS MENTALIDADES SUPERSTICIOSAS SÉCULOS XVI E XVII TIVESSE LEVADO À PROCURA E PERSIGUIÇÕES A CERTOS INDIVIDUOS E A EXECUTAR NO FUNDO DOENTES, POR SEREM SUPOSTAMENTE VAMPIROS, TALVEZ! NUNCA SE SABERÁ AO CERTO, NOMEADAMENTE NA ROMÉNIA E HUNGRIA. MAS DE FACTO, ESTA DOENÇA EXPLICA O MITO DE QUE OS VAMPIROS SÓ SAEM À NOITE E TÊM AVERSÃO AO ALHO. É MAIS DO QUE NATURAL QUE AS ANTIGAS VÍTIMAS DE PORFÍRIA SE ESCONDESSEM DO SOL, OU ATÉ PODENDO MESMO REFUGIAR-SE NO ESCURO, DURANTE O DIA, A AVERSÃO AO ALHO EXPLICA-SE POR ESTE ESTIMULAR A CRIAÇÃO DE TOXINAS NO SANGUE. QUANTO AO MEDO DA CRUZ, ATRIBUÍDO AOS VAMPIROS, É MUITO PROVÁVEL QUE OS INDIVIDUOS QUE SOFRESSEM DE PORFÍRIA FUGISSEM DA INQUISIÇÃO FEITA” PELA, A IGREJA CATÓLICA. ERAM PERSEGUDOS MILHARES DE PESSOAS, INCUINDO OS” VAMPIROS”, SENDO SUBMETIDOS A TORTURAS HEDIONDA E ENIXPLICÁVEIS.

Ver perfil do usuário

13 Re: Aula 1 - Lendas em Sex Abr 17, 2009 11:34 pm

Olá Fernanda... Estou encaminhando você para a DETENÇÃO por entrar ATRASADA na sala de aula, GRITANDO pela porta Twisted Evil


NO CAPS LOOK NA SALA DE AULA...

SÓ EU POSSO lol!

Ver perfil do usuário

14 Re: Aula 1 - Lendas em Sab Abr 18, 2009 8:40 pm

Existem lendas sobre o vampirismo desde 125 D.C. aproximadamente; as primeiras histórias foram encontradas na Mitologia Grega. Porém a palavra Upir (palavra que derivou o "vampiro"), tem registros de 1047, num documento para um príncipe Russo, chamado "Upir Lichy" ou "Vampiro maldoso".
Lendas vampirescas se originaram no Leste da Europa e foram transportadas por caravanas pelo oeste e em rumo ao Mediterrâneo.

De lá, a história se expandiu até as áreas eslavas e Cárpatos. Os eslavos apresentaram a figura do vampiro ao resto do mundo. Após a "cristianização" a lenda do vampiro ainda sobreviveu como um mito, carregada por ciganos, que migraram à Transilvânia, logo depois do nascimento de Vlad Drácula, em 1431.
O vampiro, dizia a lenda, possuía um espírito de uma pessoa morta, que havia sido bruxa, assassino ou suicida. Vampiros eram criaturas temidas, pois podiam se passar por pessoas normais; as únicas diferenças eram o fato de eles não terem sombra ou reflexo no espelho.

À noite, beberiam o sangue de mortais para se alimentarem. Um dos métodos mais comuns era se transformar em morcego e voar pelas janelas abertas, à procura de um pescoço distraído. Eles jamais entravam em uma casa se não fossem convidados, mas uma vez chamados, eles poderiam entrar sempre que quisessem.

O vampiro eslavo não era perigoso apenas porque matava pessoas (afinal, muitos humanos fazem isso!), mas porque, suas vítimas se transformavam em vampiros após mortas. O vampiros eram imortais; apenas alguns métodos poderiam destruí-los. A estaca no coração ou separar a cabeça do corpo eram os únicos métodos conhecidos.

Vampiro
O vampiro é um ente mitológico que se alimenta de sangue humano.

Voltaire, escreveu uma longa entrada sobre vampiros no seu Dicionário Filosófico. Dessa obra faz parte a seguinte definição de vampiro:

"Estes vampiros eram corpos que saem das suas campas de noite para sugar o sangue dos vivos, nos seus pescoços ou estômagos, regressando depois aos seus cemitérios. "

O vampiro é um personagem muito comum na literatura de horror e mitológica, existindo tantas versões do seu mito quanto existem usos desse conceito. Alguns pontos em comum são o fato de ele precisar de sangue (preferencialmente humano) para sobreviver, de não poder sair na luz do Sol, de se transformar em morcego e de poder ser posto em topor temporario por uma estaca no coração.

Os vampiros mais famosos são Drácula de Bram Stoker, o Lestat de Lioncourt de Anne Rice e Nosferatu. No Brasil, os mais famosos são Zé do Caixão, Zé Vampir (de Mauricio de Sousa), Bento Carneiro o vampiro brasileiro (personificado por Chico Anysio), o Conde Vlad, personagem da novela Vamp interpretado pelo cômico ator Ney Latorraca e o Bóris Vladescu o vampiro da época medieval (personificado por Tarcísio Meira).

Os vampiros têm aparições antiquíssimas na mitologia de muitos países, principalmente dos da Europa, (leste europeu) e os do antigo oriente próximo, na mitologia da Suméria e Mesopotâmia, onde surge como filho de Lilith, se confundindo com Incubus.

Segundo a lenda, os vampiros podem controlar animais daninhos e noturnos, podem desaparecer numa névoa e possuem um poder de sedução muito forte. Formas de combatê-los incluiriam o uso de objetos com valor sagrado tais como hóstia consagrada, rosários, metais consagrados, alhos, água benta, etc.

Nas primeiras lendas sobre vampiros eles se transformam em cães ou lobos, na Europa não existem morcegos hematófagos e essa associação só passou a existir depois da criação de Drácula. Em muitas das lendas antigas eles se transformavam nas noites de lua cheia, o que permite pensar que a lenda do Lobisomem tenha um fundo comum.

Entretanto muitas pessoas realmente acreditam que eles existem.


Na Televisao
A Rede Globo, no Brasil, já exibiu duas telenovelas abordando o tema. A primeira foi Vamp, de 1990, e a segunda foi O Beijo do Vampiro de 2002.

A série Moonlight (2007-2008), tem o enredo girado em torno de vampiros. O protagonista é Mick St. John (Alex O’Loughlin), um detetive particular ao estilo noir, que descreve seus pensamentos enquanto se envolve em casos exóticos. Ele se tornou vampiro há mais de meio século, em 1952, quando foi mordido pela vampira Coraline (Shannyn Sossamon). Ela era sua noiva e o transformou no dia do casamento. Mick a abandonou com raiva e repulsa, mas nunca se viu livre dela, que ainda o ama.

Muito da mitologia dos vampiros é deixado de lado: eles podem andar sob a luz do Sol, embora não por muito tempo, não morrem com estacas (só ficam paralisados) ou água benta e são neutros quanto ao alho. Já no piloto da série, Mick encontra uma pessoa do passado, Beth Turner (Sophia Myles), uma jornalista que ele salvou da sua esposa maligna há vinte e dois anos e pela qual se apaixona. O elenco principal se completa com o mentor de Mick, Josef (Jason Dohring), um vampiro sarcástico e centenário.

A série foi cancelada após 16 episódios - com apenas uma temporada.

Angel - A Série
Angel, assim como Buffy, é uma série riquíssima em substância. Foi concebida como uma metáfora para redenção e consciência moral, pois o vampiro Angel, depois de ter sua alma restaurada por uma maldição cigana (quando um membro foi assassinado por ele), passou a viver na angústia de seus horrendos atos do passado, buscando todo meio de se redimir, ajudando os indefesos. Primeiro, ele foi á Sunnydale ajudar Buffy Summers em sua caçada (na série Buffy), mas eles se apaixonaram, e ao encontrar a felicidade completa nos braços dela, Angel perdeu a alma novamente (como parte da maldição). Voltou a ser o vampiro inescrupuloso chamado Angelus, enfrentando Buffy até a morte. Porém, Angel conseguiu sua alma de volta, e apesar de quererem tentar, tanto ele quanto Buffy sabiam que o relacionamento nunca daria certo. Angel então deixa Buffy e parte para Los Angeles, em sua própria caçada contra o mal. Começa então a série Angel.

No Cinema
Blade - Trilogia
Nesta trilogia, Wesley Snipes interpreta o meio-vampiro (Dhampir) Blade, caçador de vampiros que protege a raça humana.

Entrevista com o Vampiro
Clássico do cinema inspirado na obra de Anne Rice, Entrevista com o vampiro conta a historia de Louis de Point du Lac, um belo jovem que é assediado por Lestat. Lestat é um vampiro, que recebeu a maldição sem ao menos saber como funcionava, e desde então todos a quem ele pretende "transformar", é dada a escolha da morte ou da vida eterna como Vampiro.

O filme passa-se durante um relato feito por Louis a um reporter, contando a historia de sua vida ao longo dos séculos. Mostra principalmente o paradoxo vivido por ele, que tendo se tornado um monstro, tenta manter seu lado "humano" soberano.

Drácula 2000 (A Trilogia)
O início se dá com um grupo de ladrões high tech que prova a inexistência de sistemas de segurança invioláveis. Ao invadir a loja de antigüidades, eles esperam encontrar peças valiosas, ouro e dinheiro. Mas deparam apenas com uma velha cripta de prata e resolvem levá-la embora. Não têm a menor idéia do que estão carregando e de que vão entrar na maior encrenca de suas existências. Ao retornar à vida, o Drácula (Gerard Butler, de Sua Majestade - Mrs. Brown) moderno passa a buscar a mulher de sua vida, aquela que foi criada para ele.

Rainha dos Condenados
Continuação do Clássico do cinema inspirado na obra de Anne Rice, Entrevista com o vampiro O vampiro Lestat reinventou a si mesmo e agora é uma grande estrela do rock contemporâneo nos Estados Unidos. Sua música acaba despertando Akasha, a rainha de todos os vampiros, cujo poder é tão grande que para combatê-la todos os vampiros da face da Terra precisarão se unir a fim de evitar sua própria extinção. Mas assim como a música de Lestat inspira Akasha, que deseja fazer dele seu rei, ela também faz com que Jesse, uma jovem fascinada pelo lado negro da vida, se apaixone por Lestat.

Anjos da Noite (Underworld, 2003)
O filme conta a história da guerra sangrenta e milenar entre Vampiros e Lycans (lobisomens). A história é a missão de Selene, uma vampira, descobrir porque Michael, um humano, é perseguido pelos lycans. Quando Michael é transformado em lycan, a guerra, até então apagada pela suposta morte de Lucian, o senhor dos Lycans, é novamente travada. No decorrer da história, eles se apaixonam, e infrigem as regras de suas espécies, tornando Michel o primeiro híbrido (metade vampiro, metade lycan, mais forte que ambos) da história.

Crepúsculo (2008)
Isabella Swan chega à nublada e chuvosa cidadezinha de Forks - último lugar onde gostaria de viver. Tenta se adaptar à vida provinciana na qual aparentemente todos se conhecem, lidar com sua constrangedora falta de coordenação motora e se habituar a morar com um pai com quem nunca conviveu. Em seu destino está Edward Cullen.

Ele é lindo, perfeito, misterioso e, à primeira vista, hostil à presença de Bella - o que provoca nela uma inquietação desconcertante. Ela se apaixona. Ele, no melhor estilo "amor proibido", alerta: Sou um risco para você. Ela é uma garota incomum. Ele é um vampiro. Ela precisa aprender a controlar seu corpo quando ele a toca. Ele, a controlar sua sede pelo sangue dela.

O que Bella não percebe é que quanto mais se aproxima dele, maior é o perigo para si e para os que a cercam. E pode ser tarde demais para voltar atrás...


[editar] RPG
A White Wolf possui uma série de publicações de RPG sobre vampiros, lançadas no Brasil pela editora Devir.

No RPG, Vampiros são seres similares aos humanos, como grande modificador os poderes especiais (disciplinas). Os vampiros do rpg se dividem em clãs e vivem no mundo criado chamado de Mundo das Trevas.

Sua maior diferença é que eles são organizados em seitas. A Camarilla, seita que visa à preservação da máscara (defende manter os vampiros como lenda) e o Sabá, seita que é a favor do controle ativo dos humanos (não se importam com a máscara, mas também possuem o bom senso). Há também outra organização, os que se denominam os Independentes. Não seguem qualquer regra além a do seu clã.

No RPG, o primeiro vampiro foi Caim (o da própria Bíblia, irmão de Abel). Depois de sacrificar Abel, ele foi expulso do Éden e condenado a vagar nas terras de Nod. Com o passar do tempo, Deus mandou vários "emissários", anjos seus oferecendo o perdão total a Caim. Porém, ele renegou todos, e a cada um deles, após ser negado, almadiçoou Caim com uma limitação diferente. Assim surge o vampirismo no RPG. Ao conhecer Lilith, ele aprende a controlar o poder de seu sangue e mente. Daí vêm os poderes vampíricos.

Ultimamente, a White Wolf lançou uma nova versão dos seus jogos, chamada de New World of Darkness, nesse novo cenário os jogadores interpretam pessoas transformadas em vampiros e sua interação com um mundo onde o sobrenatural é o elemento dominante. Os personagens (jogadores e NPC's) são divididos em clãs e covenants. Os clãs são como espécies de famílias, enquanto os covenants são facções semi-políticas e semi-religiosas às quais os personagens podem se filiar.

Ver perfil do usuário

15 Re: Aula 1 - Lendas em Dom Abr 19, 2009 4:05 pm

Aula com tempo terminado!

Quem fez, fez... que não fez se fodeu.

Ver perfil do usuário

16 Re: Aula 1 - Lendas em Sex Abr 24, 2009 12:16 pm

Com licença, Sr. Professor,

Preciso q leia um recado na detenção.

Grata,

Paula Malturi

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum